ROLOS FLUIDOS SMART

TIPOS DE ROLOS DE TREINAMENTO 

A grande revolução no treinamento indoor veio com os rolos Smart, que trocam informações com computadores e celulares, é ai que vem o pulo do gato do treinamento.

Como você  pode ver, um diferencial do rolo smart é transmitir informações para os softwares possibilitam uma experiência diferente no treinamento. Assim os fabricantes implementam cada vez mais a coleta de dados do seu treinamento, através de tecnologias e vamos falar um pouco delas aqui.

  • ROLO SMART E INTERATIVOS:

Os rolos smart interativos vão desde uma unidade que mede a densidade do fluído da unidade de resistência para cálculo de potência até equipamentos que possuem a capacidade de frear com auxílio elétrico para simular subidas de até 25%

E aqui fica o alerta, alguns modelos chamados de smart pelos fabricantes apenas trocam informação mas não possuem a capacidade de alterar a resistência via software, na prática eles não simulan e nem freiam para simular as subidas estes são os modelos smart.

  • ROLOS MAGNÉTICOS 

Os rolos magnéticos são os modelos fixos mais simples do mercado. De maneira geral são mais caros do que os rolos soltos, de equilíbrio. Neles, a bicicleta fica presa pela roda traseira, e a resistência é realizada por um cilindro que toca o pneu.

Oferecem muito mais segurança e estabilidade: é possível andar sem segurar o guidão, pois não exigem equilíbrio . Nesses equipamentos, você pode ajustar a intensidade de pedalada por um botão giratório, que intensifica a resistência de maneira gradual.

É o modelo fixo mais barato, mas também é o mais barulhento e o menos realista em relação à pedalada reaL

  • ROLO DE EQUILÍBRIO 

Os mais baratos do mercado. Também são conhecidos como “rolos soltos”, em que a bike fica totalmente livre, sobreposta ao rolo. Exigem que o atleta se equilibre sobre o equipamento, o que pode representar certa dificuldade.

Para pedalar nesse dispositivo é necessário certo período de adaptação e aprendizagem. A dica para subir e descer do rolo é apoiar-se em paredes, permanecendo seguro até que o equilíbrio seja atingido.

Nesse tipo, não é possível regular a intensidade de pedalada: o treino deve começar em intensidade total, para que a bike se equilibre sobre o rolo. Esse pode ser um fator negativo, mas é interessante para atletas que competem em provas contra-relógio, em que as arrancadas são muito importantes.

São ótimos treinadores de velocidade, e os únicos que trabalham músculos do core e membros superiores, ativados na regulação do equilíbrio. Em contrapartida, não permitem simular pedaladas pesadas, permanecendo em intensidade leve ou média.